segunda-feira, 13 de agosto de 2018

Robyn Donald - Cenas De Um Casamento

Título Original: Return To Yesterday
Protagonistas: 
Craig Loring e Catlin Loring
Julia 256 


Ela quis gritar e não pôde, quis bater nele e sentiu o corpo todo paralisado de dor… Craig, seu marido, estava na cama com outra mulher! Sufocou a angústia e saiu devagar, até que o desespero a fez correr. A cena havia acontecido há seis anos e, desde então, ela vivia sozinha na Austrália, se refazendo, construindo uma Catlin mais segura e feliz. Precisava apenas buscar o dinheiro que deixara na Nova Zelândia porque Craig, voluntarioso como sempre, exigia que ela fosse pessoalmente. Que exigisse! Levaria um susto ao reencontrá-la; ela é que iria exigir o divórcio. Sabia que o encontro forçado ocultava uma armadilha, mas sentia-se preparada para correr riscos. Até que o marido a apertou nos braços e impôs: "Você ainda é minha mulher, portanto…"


Aos 17 anos, Catlin se casou com Craig. Ele comprara a fazenda de seu pai, que morrera pouco tempo depois, deixando Craig como seu tutor, até que ela completasse 25 anos e recebesse sua herança. Mas eles nunca tiveram um casamento de verdade, muito menos uma noite de núpcias. Catlin estava apaixonada e tinha sonhos de uma vida feliz ao lado do jovem viúvo e a filhinha dele de 2 anos, mas teve seus sonhos despedaçados ao encontrá-lo pouco depois do casamento na cama com outra. Ao fazer um escândalo por causa disso, ele se irritara e, querendo humilhá-la, acabara estuprando-a. Catlin fugiu para a Austrália e nunca mais quis saber dele. Agora, com 24 anos, não era mais a moça ingênua e sem sofisticação que fora no passado. Fizera faculdade, aprendera a ter classe e sofisticação, se tornara culta e queria comprar o próprio negócio. Para isso, precisava do dinheiro de sua herança, que ainda estava sob os cuidados de seu marido. Ele só conversaria com ela sobre isso se Catlin fosse falar com ele pessoalmente. Mas Craig teria uma surpresa quando reencontrasse sua esposa. E ela não perderia a chance de lhe mostrar tudo o que perdera ao não lhe dar o devido valor no passado!

AVISO: Resenha com spoiler!

Falando sobre livros envolvendo traição num grupo do Facebook, me lembrei desse aqui que li há alguns anos (época do Orkut ainda) e, conversando com a amiga (e autora) Silvana Barbosa, percebi que não me lembrava de muitos aspectos da história. Eu sabia que tinha tudo o que eu detesto nos romances, mas por alguma razão ele estava gravado na minha memória como um livro que eu tinha gostado (não amado), portanto fui pegar pra reler. Eita, que desgraceira! Confesso que questionei a minha sanidade por ter gostado desse livro! Craig foi mesmo um canalha. Traiu a Catlin quando eles estavam juntos e, depois que ela fugiu, continuou tendo outras amantes (no plural), mesmo ainda sendo casado legalmente com a mocinha, e ele em momento algum se desculpou (ou se mostrou arrependido) por isso. NUNCA. Em relação ao estupro, a mocinha pode até ter cedido no final, mas começou à força e com o intuito claro de humilhá-la e subjugá-la. O próprio mocinho admitiu isso. NÃO é não, e estupro é estupro. Leiam esse trecho do capítulo 3 e vejam se não concordam comigo. Pra entenderem o contexto, a mocinha só teve essa experiência sexual (o estupro) e depois nunca mais dormiu com ninguém, mas mentiu pro mocinho dizendo que tinha um amante, o que o irritou (os sublinhados no texto foram colocados por mim):
    — Você me surpreende. Pensei que tivesse mais caráter. Quero apenas que se lembre de uma coisa, antes que ponhamos uma pedra sobre esse assunto. Naquela noite em que fizemos amor, você lutou como um diabinho, mas me desejou, Catlin, tanto quanto eu a desejei. Também teve culpa pelo que aconteceu, pois contribuiu, e muito, para que eu ficasse excitado.
    — Claro que lutei! Já esqueceu que estava furiosa? O que esperava? Que me tornasse a maior amiga daquela tal Belinda? (Em OFF: Belinda = amante) E você não me violentou porque queria fazer amor comigo! Queria apenas me humilhar, me subjugar.
    — É verdade. Só que não imagina como gostei de possuí-la. Estava louco da vida, mas assim que a toquei, notei que correspondeu. Quando finalmente chegamos à cama, você ardia de desejo por mim. E é por isso que não suporta mais que eu me aproxime. Tem medo que seu corpo desminta o que diz.
    — Você me machucou, Craig — ela ainda se queixou.
    — Pode ser, estava fora de mim. Afinal de contas, tinha me casado com uma adolescente e não esperava encontrar um mulher quente e fogosa na minha cama. Mas mesmo que agisse com mais gentileza, eu a teria machucado da mesma maneira, Catlin. Você é do tipo que sofre quando faz amor pela primeira vez, e isso eu não poderia evitar. Garanto que não doeu da segunda vez, não foi? (...) Por que continua me acusando de algo que não tive culpa? — Ele continuou com frieza. — Sinto muito que sua primeira vez tenha sido uma decepção. Seria muito mais gostoso se pudesse lembrar com carinho do homem que a fez mulher. Mas, agora, depois de tantos amantes, essa primeira vez já faz parte de um passado distante, não é?
    — Então quer dizer que sou a única culpada? Provavelmente acha que eu não devia ter ficado furiosa por vê-lo nos braços daquela mulher, não devia ter brigado por causa disso, nem devia me aborrecer por ter sido violentada. Porque foi isso que fez, Craig! Talvez tenha ficado excitada, mas não queria fazer amor e você me forçou. Para mim, isso é estupro!
    — Concordo e por isso já me desculpei. Não me orgulho do que aconteceu naquela noite. E agora que vi o que acontece quando simplesmente a toco, fico ainda mais aborrecido. Mas não sou o único culpado. Você deveria admitir que me levou a praticar aquele ato de loucura para ter uma desculpa e me abandonar depois.
Segundo a lógica de Craig, Catlin pensou: "vou provocá-lo até ele me estuprar, porque aí terei uma desculpa para abandoná-lo". Céus, quando eu penso que já li de tudo! E é sério que ele disse "seria muito mais gostoso se pudesse lembrar com carinho do homem que a fez mulher" e que ainda falou que a culpa era dela? Uma menina de 17 anos que, até então, nunca tinha saído de casa? Nem pra escola ela foi, foi educada em casa. Ah, mas eu não perdoava esse homem era NUNCA! E sim, esse infeliz(mente) é o mocinho da história. Arrogante e metido a dono da razão. E, apesar dela torturá-lo com essa história de ter um amante e de dizer ter repulsa ao toque dele, a verdade é que Catlin ainda o ama e dá essa moral que ele não precisa, nem merece. Creio que a única coisa que me fez gostar desse livro na época que li foi a filha do mocinho, que ama a Catlin e é um amor, e o fato da mocinha não ser mais bobona e não aceitar humilhação da mãe, dos amigos e das amantes dele (no passado esse povo todo a humilhava publicamente e o mocinho não fazia nada. Nem ela.). Essa nova Catlin o deixa com ciúmes, um pouquiiiinho inseguro e muito irritado com a aparente frieza. É bom vê-la jogando um balde de água fria nele, como nessa cena no capítulo 2...
    — Sentiu falta de nós, quando foi embora?
    — Senti, como se sente falta de um mau hábito.
    — Nos odiava tanto assim?
    — Não se odeia um mau hábito, Craig. Apenas se tem medo dele e se fica feliz quando ele é abandonado.
... ou nessa cena aqui, no capítulo 3:
    Quando o beijo terminou, ela estava pálida e trêmula, e, num gesto de desprezo, passou as costas da mão pelos lábios ainda úmidos.
    — Não me olhe assim, Catlin. Foi apenas um beijo, nada mais!
    Catlin tremia, a boca seca, sem conseguir se controlar. Quando pôde falar, sua voz estava rouca, como se Craig tivesse tentado estrangulá-la.
    — Vou embora. Preciso ir!
    Craig segurou-a pelos ombros, mostrando uma expressão de horror .
    — Não é possível! Foi isso o que fiz para você? Não suporta que um homem a toque?
    Devagar, Catlin foi recuperando a coragem, e quis machucá-lo do mesmo jeito que ele a tinha machucado.
    — Só acontece quando você me toca. Com outros homens não sinto nada disso.
    Craig a soltou e foi de novo para junto da janela, parecendo muito abalado.
    Ainda bem! É o que ele merece, Catlin disse a si mesma. Sabia que tinha atingido Craig num ponto vital, isto é, em seu orgulho de macho.
    — Houve muitos outros homens? — ele perguntou, ainda de costas para ela.
    Ela hesitou uns segundos, antes de mentir.
    — O que acha? Quando fui embora, estava confusa e não tinha a menor confiança em mim mesma. Fiquei então com a idéia fixa de provar a você que eu era um ser humano digno. Entrei na faculdade tentando me convencer de que não era idiota. Dediquei longas horas de minha vida para aprender esportes e a ser uma dona-de-casa excelente. Precisava lhe mostrar que era capaz de ser uma mulher perfeita. E como você sempre gostou de mulheres experientes, tornei-me uma. — Ela riu, dando um tom ainda mais cínico à voz. — Felizmente, depois de algum tempo, recuperei o juízo e compreendi que nenhum homem valia tal sacrifício. Agora, sou muito mais exigente.
    O silêncio que se seguiu foi pesado. Craig continuava de costas, olhando para o chão. (...) Craig virou-se, olhando-a fixamente.
    — Tem um amante agora?
    Ela hesitou, mas mentiu outra vez.
    — Tenho, mas não acho que isso seja de sua conta.
Mesmo assim, eu não o teria perdoado. As mulheres vivem se jogando em cima do cara, e ele não faz questão nenhuma de cortar as claras insinuações delas. Terminei o livro com zero confiança nesse mocinho e, mesmo dizendo que a amava no final, fiquei com a sensação de que era só questão de tempo até Craig trair Catlin novamente. Torci mesmo foi pra mocinha encontrar alguém melhor e deixar esse estuprador pra lá. Até a reconciliação deles foi quase um estupro de novo, credo! E ainda no mesmo lugar em que ela o pegou com a amante! Mesmo Catlin implorando que não suportava ficar naquele lugar, Craig fazia questão de transar com ela (e essa seria a reconciliação deles, a primeira vez depois do estupro) e teve a sua vontade feita de qualquer jeito, com direito a mocinha correndo pra fugir e ele colocando o pé pra ela tropeçar e levando-a (à força) no colo para dentro da odiosa casa. E a pamonha no final disse que o (primeiro) estupro não foi bem estupro, porque ele tinha razão, ela se excitou mesmo, e entendeu que as amantes dele eram só pra satisfazer uma necessidade física. Ah, para, colega! Me ajuda a te ajudar! Pior que isso, só a desculpa de Craig, de que a amou desde que a viu pela primeira vez e que só não dormiu com ela na noite de núpcias porque Catlin era uma menina e ele não podia dormir com uma menina. Mas, convenientemente, o filho do capeta esqueceu que acabou estuprando essa mesma menina. Quer dizer, ter um casamento normal com a mulher que ele amava não podia, mas estuprá-la estava tudo bem? Safaaado, cachooorro, cretiiiino, sem vergoooonha, crááápula!!! E a mocinha? Só pecou em uma coisa: em aceitá-lo de volta. Amadinha, você estava certíssima em fugir, se tornou um mulherão e merecia algo melhor. Bocó, se contentou com pouco! Aiii, que assim a minha pouca paciência não aguenta!

Querem saber o mais curioso? Esse é um livro ruim (não se enganem, ele é ruim) que eu curti ler (e reler, falando nisso), vai entender, kkkkkkk. Xinguei o mocinho, me irritei com tudo o que aconteceu, mas estranhamente não me arrependo de ter lido. Acho que eu estava precisando de alguém pra despejar a minha TPM, só pode, kkk. Se eu recomendo? Ahhh, ainda não sei. Detesto qualquer livro envolvendo traição e estupro. Se eu fosse pegar esse livro pela primeira vez, hoje, provavelmente nem começaria a ler ao detectar a traição pela sinopse. E, se por acaso a curiosidade me levasse a ler mesmo assim, ao saber do estupro eu teria abandonado. É que quando o li eu ainda não abandonava uma leitura, por pior que fosse. Hoje em dia, não. A vida é curta demais (e minha lista de leitura é grande demais) pra perder tempo com livro ruim. Se quiser ler, leia por sua conta e risco. Você vai passar muita raiva com o mocinho, mas vai se apaixonar pela filha dele e até vai curtir cada momentinho em que a mocinha o atormentar (mesmo tendo durado pouco). E se já leu, conta aí o que achou!


Capa Original:


*** Suelen Mattos ***
http://lh6.ggpht.com/_2WNpNdgUeb0/TUTUNd_cnxI/AAAAAAAAAyM/ce90pMbLYvc/separador.gif

21 comentários :

  1. Eu li e fiquei horrorizada com a atitude dele. O herói é ESTUPRADOR e ponto final. Não é não!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente. Ele merecia a prisão, não um final feliz. Só acho.

      Excluir
  2. Odeio livros que tem estupro! E geralmente odeio os mocinhos desses florzinhas! São todos brutamontes e ridículos. E a Robyn Donald ADORA esses ogros. Geralmente não passo nem perto. Mas parabéns pela resenha <3 Acho que vou ler só para falar mal também! rsrsrsrs..

    Beijinhos!

    Luciana
    amantedodeserto.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse foi o único livro dela que li. E não pretendo ler outro não, sinceramente, kkkkk

      Excluir
    2. Tem um que o mocinho chega a bater na mocinha.. Inferno em Teus Braços. Fiquei horrorizada!

      Excluir
    3. :o Credo!!! Agora é que não leio mais nada dela mesmo. Tá doido!

      Excluir
  3. Eita... rsrs foi engraçado saber que por causa de uma conversa nossa você fez a releitura deste livro, e no final criou esta resenha mara! Olha, com uns livros assim meus dedos coçam para escrever um contemporâneo estilo bancão, com separação e mulher que namora muuuuito até voltar com o bofe-insuportável-mocinho. SE voltar, né? Quem sabe eu inovo totalmente e boto o outro herói chegando só no finzinho, para ganhar troféu? Mas, cá para nós, traição em livro dá para perdoar, mas estupro, nunca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Menina, hoje em dia fujo de livros assim. Não perdoo nem traição, quem dirá estupro!

      Excluir
  4. Ótima resenha!

    Se quiser participar, estou sorteando um kit de acessórios lá no blog: http://www.cobaiaamiga.com/2018/08/sorteio-acessorios.html

    ResponderExcluir
  5. Oi Su,
    Chocada que a autora romantizou o estupro na cara de pau mesmo. NOJO.
    Ainda mais louco é o título desse livro. O bom de reler é que a gente sabe do que não ter na estante mais, né?

    P.S.: Sobre o livro Love is in the Air da Ler Editorial, é uma série de livros, com o mesmo nome e um país de subtítulo. Cada um foca em contos apimentadinhos que se passam em países diferentes. Acho que o do seu Kindle, deve ser o de Londres. Aquele que divulguei é lançamento,terceiro livro e se passa em Madrid.

    até mais,
    Nana - Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu conferi aqui e tem razão: eu tenho os livros 1 e 2 (Londres e Paris). Claaaro que vou querer esse terceiro, hehe. Obrigada pela info! ♥

      Excluir
  6. Oi Suelen, pode mandar esse livro pra mim? Xero.
    https://www.facebook.com/escritoracasant/?modal=admin_todo_tour

    ResponderExcluir
  7. Oi, Su!

    A nossa percepção muda de acordo com a idade e a fase da vida na qual lemos né? Muitos livros que li com 15, 16 anos, não detectei nenhum fator que parecesse estranho, mas hoje vejo como certas relações eram abusivas e nem um pouco românticas, principalmente no que se trata de livros new adult e eróticos. Adorei a sua resenha, traição é algo que não aceito também e que me irrita logo que vejo nos livros.

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Disse tudo. Muda mesmo. Muitos livros que releio hoje não sinto o mesmo de quando li a primeira vez.

      Excluir
  8. Oi Su! Tema polemico, estou lendo um livro que também aborda estupro, mas acho que vai rolar punição e não perdão.Bateu aquela saudade desta coleção quando vi a capa, eu adorava ler Sabrina/Julia e Bianca. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem que rolar punição mesmo, pq uma coisa dessas não tem desculpa nem perdão!

      Excluir
  9. Oie Su =)

    Definitivamente eu não ai conseguir ler um livro que o estupro invés de ser punido é considerado normal. São justamente livros assim que acabam passando a imagem que não tem problema a mulher sofrer abuso se no final o cara vira um príncipe encantado.

    Estou perplexa com esse livro e sua resenha. Gente como uma autora consegue escrever algo assim e chamar de romance!?

    Beijos;***
    Ane Reis | Blog My Dear Library.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Né?! E nem príncipe ele vira não. O cara é o que é. As trevas!

      Excluir
  10. suuuu eu também ja li esse livro e tive as mesmas reações, incrivel como a trama prendeu mesmo tendo um enredo tão controverso!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é? Prova de que a autora escreve bem (mesmo que esse livro não tenha sido um dos melhores). :j

      Excluir

E aí, o que acharam??? Comentem!!! Adoro ler as opiniões de vocês!!!!

:a   :b   :c   :d   :e   :f   :g   :h   :i   :j   :k   :l   :m   :n   :o   :p   :q   :r   :s   :t   :u

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Arquivos Romantic Girl

Postagens Populares

Rolando No Romantic Girl:

Em Breve!!!
 


Suelen Mattos Romantic Girl | Designed by: Shop Like a Woman , TNB | Distributed by Deluxe Templates